Não adianta. Tenho mesmo uma personalidade reflexiva e sempre aproveito essas datas comemorativas para analisar certas questões. No dia 8 de março comemoramos mundialmente o Dia da Mulher e resolvi analisar o tema. Para isso, vou pegar uma família brasileira de classe média e observar as mudanças que ocorreram ao longo dos anos.

Muito bem, a mulher que nasceu no início do século XX não tinha direito a voto e interferia de forma indireta nas decisões de seus maridos, irmãos, filhos e outros parentes ou amigos do sexo masculino. Suas funções eram ter filhos, criar e educar. Era pacata e gastava seu tempo com os afazeres domésticos. Nas horas livres fazia tricô e crochê. Não estudava, não entrava em mercados ou ambientes do gênero, afinal, mulheres de família não frequentavam esses lugares. Sua maior alegria era estar cercada pelos seis filhos da família.

Uma de suas filhas, nascida perto da década de 30 tinha um espírito mais aventureiro. Já havia meninas estudando e ela decidiu que também queria estudar. Casou cedo e logo teve filhos, como era o hábito, mas percebeu que não gostava de ficar só em casa, cuidando de afazeres domésticos e, portanto, mergulhou um pouco mais profundamente no preparo acadêmico. Lógico que essa atitude não foi vista com bons olhos pela família. Mas outras estavam fazendo o mesmo e ela seguiu em frente. Foi uma das primeiras professoras de sua cidade.

Já estamos na terceira geração e, entre a década de 40 e 50, nasceu mais uma menina na família, que agora já tem a prole reduzida para 4 crianças. Essa já é mais estimulada aos estudos, mas ainda com foco na casa. Entre aulas de matemática e português, também frequenta aulas de prendas domésticas, costura e culinária. Casa, tem dois filhos e começa a administrar uma rotina de trabalho e família.

Nascida entre as décadas de 60 e 70, a quarta geração da família já vive os reflexos do feminismo que explodiu na Europa e nos Estados Unidos e, que, mesmo que com menor força, também chegou forte ao Brasil. A realidade é outra, a família já não se preocupa nem um pouco em ensinar as artes domésticas para a doce menina. O foco agora são os estudos e os cursos extras bastante necessários, como inglês e datilografia.

A quinta geração nasce um pouco mais tarde, afinal a mãe está se dedicando ao trabalho e aos seus cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado. Além disso, administra três jornadas de trabalho. É uma geração que nasce perto da virada para o século XXI, mergulhada em um mundo consumista que valoriza o “ter” e não o “ser’. A menina, ainda novinha, já tem seu computador, seu ipad e seu celular de última geração. Foca nos estudos e nos intercâmbios, estuda e faz vários cursos de especialização. Tarefas domésticas? O que é isso? Casar? Hum… talvez, mas um pouco mais tarde. Enfim… casa. Filhos? Hum… talvez, mas um pouco mais tarde. Enfim, lá pelos 35, 37, nasce o filho, único, porque hoje em dia está difícil.

Vamos parar nosso relato por aqui e vamos dar um rápido passeio pela Bíblia. Gosto demais do texto bíblico de Provérbios 31:10-31. Acredito que ele seja uma descrição do desejo de Deus para nós, mulheres. O texto é longo e não dá para transcrever aqui, cito apenas alguns pedaços e convido você a ler: “Se você encontrar uma esposa fiel e dedicada, achará um tesouro mais valioso que ouro e pedras preciosas… Ela sempre procura ajudar o marido… Ela compra os tecidos e faz as roupas da família. Sem se cansar, ela anda à procura da melhor comida para sua família, procurando sempre o preço mais barato. Antes de o sol raiar ela já está de pé, preparando a primeira refeição da família… Com a agulha e a linha ela faz roupas e dá aos pobres e necessitados… Suas grandes virtudes são a energia e a honra. Ela não se preocupa com a velhice. Quando ensina seus filhos ela mostra sabedoria, ensina e corrige com amor… A mulher que fizer isso deve ser elogiada diante de todos; deve receber cumprimentos e homenagens de toda a sociedade”.

Quando a gente vê o que aconteceu ao longo da história e lê um texto como esse, com certeza ficamos confusas. Afinal, especialmente nós e nossas filhas já fomos criadas, moldadas nesse contexto mais moderno e temos dificuldade de nos adaptar ao conselho bíblico. Mas, para não esticar muito o artigo, deixo a você a seguinte reflexão: será que somos mais felizes hoje? Será que nossas filhas, que levarão avante essas mudanças serão mais felizes? O que é o ideal: a forma humana de moldar a vida, ou o conselho de Deus? Pense e, se quiser, deixe seu comentário.

Fonte DSA

Deixe aqui seu comentário